13.7.07

Seminário Os Caminhos da Infância


Em comemoração aos 17 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente o SESC-SP em parceria com a Aliança pela Infância realizou nos dias 11 e 12 de julho o Seminário "Os Caminhos da Infância". Foram dois dias de intensas discussões a respeito da problemática atual e principalmente a respeito das perspectivas que se colocam em relação ao futuro de nossas crianças. Estiveram presentes palestrantes e especialistas, nacionais e estrangeiros, além é claro de um público enorme de educadores, gestores, médicos e outros ligados ao universo infantil. Confira abaixo um pouco do que foi discutido nesses dois dias:
Conferência: O FUTURO DA CRIANÇA ( por Christopher Clouder- Inglaterra- co-fundador da Aliança pela Infância, escritor e membro da Sociedade Real de Artes)

  • Que tipo de mundo queremos para nossas crianças?
  • Não bastam palavras bonitas temos que de fato cuidar da infância de nossas crianças;
  • As crianças de hoje estão mais expostas à pressão e sofrem muito com o estresse;
  • Crianças versus tecnologia: há um super desenvolvimento da capacidade visual, por outro lado a capacidade de socialização é significativamente diminuída;
  • Precisamos ensinar as crianças a brincar pois criança precisa de recreação;
  • A escola preocupa-se muito em aumentar os espaços controlados em detrimento dos espaços para recreação (que não são tão fáceis de se controlar);
  • É necessário desenvolver na criança 4 competências:
  1. Competência Social
  2. Capacidade de solucionar problemas
  3. Autonomia
  4. Sentido de propósito
  • Precisamos descobrir a pessoa desconhecida que há dentro da criança e possibilitar que ela fale de si mesma;
  • Por em prática o 4 Pilares da Educação proposto por Jacques Delors no famoso Relatório da Comissão Internacional sobre a Educação no Século XXI:
  1. aprender a conhecer
  2. aprender a conviver junto
  3. aprender a fazer
  4. aprender a ser
  • Paulo Freire: traz uma visão muito verdadeira de educação, não há educação verdadeira quando se faz dela uma forma de opressão.
  • Recado para os professores: "o professor deve respeitar a sua saúde física e mental, encontrar a alegria de ser professor e acima de tudo experimentar o sentimento de inteireza."
Painel: INFÂNCIA E EDUCAÇÃO

Claudia Davis (Psicóloga e Doutora em Psicologia Escolar)
  • Brasil tem 184 milhões de habitantes, destes 55 milhões têm entre 0 a 14 anos;
  • Taxa de analfabetismo atinge 15% dos brasileiros;
  • 34% vive abaixo da linha de pobreza;
  • 97% freqüenta o ensino fundamental;
  • 82% completa o ensino fundamental em média em 10 anos;
  • Desafio da Educação Infantil: aumentar a quantidade de creches, integrar pedagogicamente as creches às pré-escolas, estabelecer parcerias com as Ongs;
  • No ensino fundamental possibilitar 3 dimensões: significado da escola, relação com a escola e relação com o professor.
  • Progressão Continuada: "tem que sempre avaliar, foi uma idéia boa, mas implementada de forma errada."
Cleuza Repulho (Presidente Nacional da Undime)
  • Conceito de infância mudou nas últimas décadas: passou-se do cuidar para o educar;
  • A história da construção da educação infantil no Brasil já percorreu muitos caminhos e precisamos retomar esta história para prosseguir alcançando resultados significativos;
  • A qualidade na Educação Infantil está ligada ao apoio e recursos oferecidos pelo poder público.
Elvira de Souza Lima (Antropóloga e Psicóloga, pesquisadora associada à Universidade de Salamanca, na Espanha)
  • Precisamos entender que a escola é um contexto de cultura e perceber a educação como dimensão humana;
  • Contribuição de Vygotsky: mediação semiótica; desenvolvimento cultural e apropriação dos meios e das formas de comunicação.
  • Progressão Continuada: "em vez de nos preocupar com a reprovação vamos nos preocupar em ensinar as crianças pois todas são capazes de aprender."
Colóquio: MÍDIA, CRIANÇA E NOVAS TECNOLOGIAS

Beth Carmona (jornalista, diretora-presidente da Associação de Comunicação Educativa Roquette-Pinto/ACERP):
  • No Brasil abrimos mão da mídia televisiva pois não a utilizamos em todo o seu potencial;
  • Emissoras públicas versus Emissoras Privadas: uma concorrência quase desleal pois as emissoras privadas contam com patrocínios milionários.
Ana Lúcia Villela ( Presidente do Instituto ALANA):
  • A mídia, principalmente a televisiva, transforma as crianças em consumidores;
  • Preocupação: que tipo de consumidor está sendo formado? Crítico? Consciente?
  • O Código de Defesa do Consumidor, no tocante ao marketing infantil, determina, no seu artigo 37 , que a publicidade não pode se aproveitar da deficiência de julgamento e experiência da criança, sob pena de ser considerada abusiva e, portanto, ilegal.
  • O Estatuto da Criança e do Adolescente prevê, no seu artigo 76 , as normas a serem seguidas pelas emissoras de rádio e televisão no tocante à programação, a fim de que dêem preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas que respeitem os valores éticos e sociais da pessoa e da família.
Carlos Seabra (Editor e produtor de conteúdos multimídia e internet):
  • Quem domina a tecnologia? são os mesmos de sempre: a classe dominante, aqueles que ditam as regras.
  • Precisamos de uma tecnologia voltada para a produção democrática do conteúdo;
  • Os impactos sociais da informática são capazes de levar a uma transformação total da sociedade;
  • a educação não apenas tem que se adaptar às novas necessidades como, principalmente, tem que assumir um papel de ponta nesse processo;
  • Obter ou desenvolver tecnologia envolve conhecimento, já adquirir artefatos tecnológicos é apenas a capacidade de aquisição.
Para ler mais:

Aliança pela Infância
Instituto ALANA
Artigo de Carlos Seabra


continua...

3 comentários:

Luis Carlos Z. Dhein disse...

Olá Magna.
Aparentemente esse seminário, deve ter sido um sucesso, e ainda mais, muito produtivo.
Esses dados que você levanta nesse post, são super interessante.
Destaco os tópicos do palestrante que traz a tona os 4 pilares da educação. Os quais vejo como indispensáveis a educação atual. Mas também percebo que muitas instituições não deram muito valor a esses pilares, mesmo ja se passando 7 anos, após a publicação.

Outros tópicos também são muitos interessantes.
Um outro que me chamou a atenção é o da Ana Lúcia Vilela, que levanta a questão de as mídias estarem transformando as crianças em consumidores, mas que tipo de consumidores. Eu gostaria muito de ter participado dessa palestra..
Abraço Magna

Luis Carlos Z. Dhein disse...

Magna, receba seu prêmio Blog com Tomates...

Devido o grande valor das informações que você traz em seu espaço, lhe indico o prêmio Blog com Tomates...

Abração...e continue esse trabalho

Leonor Cordeiro disse...

Querida Magna,
Em primeiro lugar quero dizer que fiquei muito feliz com a sua visita lá no meu bloguinho. Estou esperando as suas crianças (rs rs rs) !
Adorei conhecer o seu espaço,os textos, o lay, tudo feito com carinho e bom gosto.PARABÉNS!!
Sempre vou passar por aqui para uma visita e quem sabe um cafézinho .... rs rs rs rs
Grande abraço !
Com carinho,
Leonor Cordeiro